quinta-feira, 1 de dezembro de 2011

Dezembro negro, pode haver paz…



Sem ter garantias de segurança a qualquer momento os transportes coletivos poderão parar. Agora, além da Policia Militar e Bombeiros a Polícia Civil, os técnicos do IML, e também outras categorias ligadas à Segurança Publica em todo o Maranhão cruzaram os braços.

A nossa cidade está sem aeroporto, quem chega em nossa capital imagina que está no Haití. A Força Nacional continua de prontidão nas porta do Palácio, Centro Histórico e dos luxuosos shoppings, mas não consegue deter os roubos, assaltos, e mortes…

Durante a madrugada os grevistas estavam de prontidão aguardando uma possível invasão das tropas federais. A informação que chegou ao QG dos grevistas, na Assembléia Legislativa, nas primeiras horas desse 1º de dezembro, foi que um comboio de caminhões do Exercito de Pernambuco estava indo em direção da Assembléia, mas resolveu parar no bairro do João paulo, e aguardar ordens superiores.

Quero lembrar, que se isto acontecer, será a maior tiro no pé dado pelo Governo, que ficará manchado para sempre na história do Maranhão. O senador licenciado e tabém secretário de Governo, João Alberto entrou para mediar as negociações, falou grosso, e pediu para afastar quem não é do Maranhão nas negociações. Muito bem seu João, vossa excelência falando isso tudo na presença de um coronel do Exército do Rio de Janeiro…


Outra coisa que precisa ser dita para nossos governantes: socializem nossas riquezas, já está mais que na hora desse Maranhão ter uma distribuição de renda justa, nada de “donos dos cofres”, como diz o renomado jornalista do JP, Cunha Santos, sobre os recursos públicos.

Como é 1º de dezembro, quero desejar um feliz natal, lembrando as palavras da governadora Roseana Sarney, em seu breve discurso para todo o Brasil, afirmando que o Maranhão é um estado rico. Que bom, isso todos já sabemos. Só está faltando socializarem essa riqueza toda.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Gilberto agradece pela sua participação no Blog Voz da Raposa.