segunda-feira, 19 de março de 2012

2 POLÊMICA: TSE proíbe uso de Twitter para campanha eleitoral fora do prazo legal. Já tem partido dizendo que vai recorrer da decisão


O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) decidiu nesta quinta-feira (15) que é proibido fazer campanha eleitoral pelo Twitter fora do prazo legal.

Na prática, a partir de agora o uso de redes sociais antes da data prevista pela Justiça eleitoral (5 de julho dos anos de eleições) torna-se irregular e pode trazer sanções aos candidatos que desobedecerem a determinação judicial.

A decisão foi tomada com base no julgamento de um recurso do ex-deputado Índio da Costa, que foi multado em R$ 5.000 após pedir votos através do microblog Twitter para a chapa do tucano José Serra nas eleições de 2010, na qual ele concorria à vice-presidência.

Por quatro votos a três, os ministros mantiveram a multa e afirmaram que o Twitter é um meio de divulgação de propaganda eleitoral. Portanto, a Justiça Eleitoral deve coibir irregularidades praticadas, assim como faz com propagandas indevidas na televisão, no rádio, em revistas e em jornais.

O TSE informou ainda que quaisquer mensagens eleitorais para fins de divulgação de campanha publicadas no Twitter devem ser denunciadas à Justiça Eleitoral.

Votando a favor da proibição, os ministros Aldir Passarinho, Marcelo Ribeiro, Arnaldo Versiani e o presidente do TSE, Ricardo Lewandowski, afirmaram que o Twitter tem larga amplitude e, por isso, deve ser tratado como um meio de comunicação poderoso em campanhas eleitorais.

Os ministros derrotados contrários à proibição (Dias Tóffoli, Cármen Lúcia e Gilson Dipp) defenderam a tese de que o Twitter é um "bar virtual"Para eles, limitar as manifestações nas redes sociais é uma forma de cercear a liberdade de expressão.

"O twitter não tem como ser controlado nos termos do direito de resposta tradicionais. As pessoas conversam e, em vez de ser uma mesa de bar, é uma mesa de bar virtual. Nós vamos impedir que as pessoas se manifestem?", alertou Cármen Lúcia.

A regra já é válida para as eleições municipais deste ano. Depois de 6 de julho, a propaganda eleitoral está liberada.

Contudo, já tem partido demonstrando insatisfação com a decisão do TSE. Pelo menos até agora, o Partido Popular Socialista (PPS), através de seu presidente nacional, deputado Roberto Freire (SP), anunciou, nesta sexta-feira (16), que o partido vai ingressar com mandado de segurança contra a decisão do Tribunal Superior Eleitoral.

Para Roberto Freire, a decisão do TSE viola o direito de livre pensamento previsto na Constituição. Ele disse que o mandato de segurança será impetrado assim que a decisão for publicada pelo tribunal.

2 comentários:

  1. agora lascou mais 60 candidatos nao podem mais ser quero saber quem vai poder ser candidato na raposa

    ResponderExcluir
  2. Terreno próximo ao Igarapé Combique. Alguém sabe qual é o valor aproximado do m2?

    ResponderExcluir

Gilberto agradece pela sua participação no Blog Voz da Raposa.