segunda-feira, 11 de junho de 2012

Festa pobre


Da Agência Estado
Que aconteceu com a euforia gay, será que estão sentindo o golpe do seguimento cristão, que gritou mais alto, por causa dos desrespeitos por membros da comunidade gay,   mexendo com os santos e com os símbolos da igreja?
Fiquem com a matéria da Agência Estado sobre a parada gay:
 Mais comportada e pobre, parada gay de São Paulo diminui de tamanho
Com menos orçamento, mais comportada e muito vigiada, a 16ª Parada do Orgulho LGBT deste ano encolheu. Pela primeira vez na história do evento, a organização não divulgou oficialmente o público que compareceu à Avenida Paulista na tarde deste domingo. Para a Polícia Militar e o público presente, o evento atraiu muito menos gente do que nas edições anteriores.
“Está muito mais pobre, com menos gente, menos carros, menos divulgação”, definiu a travesti Desire Viana, de 33 anos, analista de sistemas que há oito anos vem de Porto Alegre (RS) para o evento. Neste ano, de fato, o evento teve orçamento de 325.000 – 120.000 a menos que no ano passado. O número de trios elétricos também caiu, de 16 para 14.
Com 70 pessoas da Guarda Civil Metropolitana à paisana e câmeras voltadas a combater o comércio clandestino de bebidas, os camelôs tiveram de abandonar os carrinhos e isopores, camuflando-se com pequenas mochilas.
“Houve 100 atendimentos médicos, a maioria por embriaguez. Quatro pessoas tiveram de ser levadas a hospitais”, disse o tenente coronel Benjamin Francisco Neto, que comandou a PM durante a Parada. No ano passado, a estimativa de atendimentos médicos foi de 500 casos.
Após a polêmica do ano passado, que teve como tema a frase “Amai-vosUnsAosOutros” e a exibição de cartazes de santos, a organização do evento adotou um discurso menos provocativo e mais político. O tema deste ano foi “Homofobia tem Cura: Educação e Criminalização”. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Gilberto agradece pela sua participação no Blog Voz da Raposa.