segunda-feira, 5 de novembro de 2012

O político e o técnico



Sempre há um debate sobre qual o melhor perfil para um governo: se político ou técnico. E toda vez que o povo está na iminência de ser representado por um novo governo esse debate ganha mais força, pois os eleitos tratam logo de anunciar que os cargos serão ocupados a partir do “perfil técnico” dos escolhidos.
Ora,o ideal, o sonho de qualquer gestor de verdade é nomear auxiliares tecnicamente competentes para fazer uma gestão de resultados, profissional, que administre a máquina governamental para dar “lucro” social em forma de serviços de qualidade para cidadania que paga os seus impostos.
Ocorre, que os governos são reflexos das negociações políticas e das alianças que são feitas ainda na época da eleição. Acrescenta-se a isso o fato das eleições no Brasil serem em dois turno, o que faz, no caso da eleição não ser definida no primeiro turno, que novas negociações terão que ser feitas para conquistar a vitória nas urnas no segundo turno.
Dito dessa forma, é claro que qualquer futuro governante jamais terá a liberdade necessária para montar “o governo dos seus sonhos”, onde critérios técnicos sejam definidos à revelia da engenharia política a qual repousa a sua eleição, caso contrário é crise em riba de crise.
E não pense, caro leitor, que isso acontece somente em São Luis, no Maranhão ou no Brasil. Não, essa questão de composição governamental onde o político disputa com o técnico é uma realidade global, apenas muda a forma como as coisas acontecem num lugar e no outro.
No caso específico de São Luis, já que é aqui que a gente nasce, cresce, reproduz e morre, o prefeito eleito Edivaldo Holanda Júnior terá uma tarefa árdua para compatibilizar os amplos interesses políticos que orbitam em torno da sua eleição, com a sua vontade de fazer diferente na hora de montar a equipe de auxiliares que o ajudará a governar São Luis pelos próximos quatro anos.
O desafio será equilibrar o “quero-quero” político por cargos, com o perfil técnico que alguns espaços exigem a exemplo da saúde e da educação, para citar apenas esses dois.
Do blog de Robert Lobato

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Gilberto agradece pela sua participação no Blog Voz da Raposa.