sexta-feira, 15 de fevereiro de 2013

O mistérioso sumiço das testemunhas do caso Décio.

O assassinato do jornalista Décio Sá nunca foi uma mera execução patrocinada por bandidos acuados por suas publicações, como o secretário Aluísio Mendes tenta fazer crer.

E o desaparecimento misterioso de testemunhas oculares do caso – como a morte de Ricardo Silva, o Carioca, ontem – só comprova que há muito mais explicações a serem dadas no caso.

Primeiro foi o suposto assaltante e agenciador de pistoleiros Valdênio Silva.

Preso um dia depois do crime em companhia de um dos acusados, Valdênio passou quase 30 dias preso. Em conversas com o titular deste blog logo no início das investigações, Aluísio garantiu que ele prestara importante contribuição para a prisão dos envolvidos.

Um dia antes da prisão de Jhonatan Souza, Gláucio Alencar & cia, Valdênio – que já estava solto – foi dado como vítima de uma execução na Vila Pirâmide, em um crime sem testemunhas e sem suspeitos nuna esclarecido pela polícia.

Valdênio foi dado como morto, mas consta da relação de testemunhas do caso Décio.


Depois foi a vez do lavador de carros conhecido por Qualhada.

No relatório que a polícia encaminhou à Justiça, consta que partiu de Qualhada a melhor descrição das feições do matador de Décio Sá. Descrição que, ainda segundo a polícia, serviu de base para a elaboração do verdadeiro retrato falado de Jhonatan, que não foi divulgado pela polícia, como mostra o trecho do documento, ao lado.
Semanas depois da prisão de Jhonatan, Qualhada foi vítima de facadas em uma suposta briga na região do São Francisco. Não foi localizado em nenhum hospital, foi dado como morto e nunca mais foi visto.

Agora é a vez de Ricardinho, o Carioca.

Nos relatórios da polícia, Carioca é apontado como o homem que avisou Gláucio Alencar de que havia uma trama para matá-lo.

Foi a partir desta revelação que a polícia montou a teia que, segundo a investigação, resultou na morte de Fábio Brasil e de Décio Sá, em abril de 2012.

Em janeiro, Carioca sofreu um atentado a bala que o levou a ficar internado por mais de 40 dias, até morrer, em um dos leitos do Hospital Carlos Macieira, sob a custódia da polícia.

São mistérios que a polícia se recusa a explicar.

E que tornam o assassinato de Décio Sá cada vez mais nebuloso…

Leia também:

Que fim levou flanelinha que fez retrato falado de assassino de Décio???

O misterioso Caso Valdênio…

Procurado…


Se sobrevivesse, Ricadinho já estaria tetraplégico

Tinha poucas chances de sobrevivência a testemunha do caso Décio Sá, Ricardo Silva, o Carioca, alvejado com seis tiros no início de janeiro, no Turu.

De acordo com informações do Hospital Carlos Macieira, Carioca havia recebido tiros na cabeça, nas costas e no pulmão. Uma das consequências foi a paralisia de braços e pernas.

Ele morreu de infecção generalizada.

Também conhecido por Ricardinho, foi Carioca quem avisou o agiota Gláucio Alencar de uma suposta trama para matá-lo.

No início de janeiro, homens em um carro preto atiraram nele, no início da noite, no bairro do Turu.

A princípio internado no Hospital São Domingos, ele teve que ser transferido para o Carlos Macieira após uma suposta tentativa de conclusão da execução em pleno hospital, fato negado pela polícia.

Mas a polícia, até hoje, nunca deu notícias dos homens que montaram a emboscada para ele.

E nem os motivos do crime…

Décio Sá

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Gilberto agradece pela sua participação no Blog Voz da Raposa.