quinta-feira, 16 de janeiro de 2014

Choque é acionado para conter princípio de rebelião em Pedrinhas, no Maranhão

Ampliar

Violência no Maranhão71 fotos

66 / 71
16.jan.2014 - Força Nacional de Segurança foi chamada para conter um princípio de rebelião no Complexo Penitenciário de Pedrinhas, em São Luís, no Maranhão, nesta quinta-feira (16). Além dela, homens da Tropa de Choque da PM (Polícia Militar) e do Geop (Grupo Especial de Operações Penitenciárias) também foram acionados e conseguiram conter o motim. O princípio de rebelião ocorreu no bloco A do complexoBeto Macário/UOL
Presos da CCPJ (Central de Custódia de Presos de Justiça), localizada no complexo penitenciário de Pedrinhas, se rebelaram na tarde desta quinta-feira (16). O princípio de motim ocorreu no bloco A da CCPJ.

PRESOS RECLAMAM DA SITUAÇÃO DE PEDRINHAS: 'NÃO SOMOS BICHO'

Segundo a Sejap (Secretaria de Estado de Justiça e Administração Penitenciária), homens da Tropa de Choque da PM (Polícia Militar), Força Nacional e do Geop (Grupo Especial de Operações Penitenciárias) estão no local e já "contiveram princípio de tumulto".
Segundo um prestador de serviço do CCPJ, nenhum preso foi ferido durante o motim. A Sejap informou ainda que o "clima nesse momento é de tranquilidade no local".
Desde a última segunda-feira (13), presos de três pavilhões da CCPJ estão em greve de fome.
Familiares de presos estão na frente do complexo esperando informações. No local, há cinco carros da Força Nacional e do Batalhão de Choque.
As mulheres que visitavam presos na penitenciária São Luís 1, vizinha à CCPJ, onde ocorreu o motim, se assustaram com o barulho dos tiros e estão do lado de fora esperando notícias dos familiares.
Ampliar

UOL entra no complexo penitenciário de Pedrinhas14 fotos

2 / 14
10.jan.2014 - Triagem do CDP (Centro de Detenção Provisória) de Pedrinhas está superlotada; presos reclamam de falta de estrutura e insalubridade em celas Leia maisBeto Macário/UOL
Mãe de três presos que estão no complexo de Pedrinhas, Marcilene Martins disse estar preocupada com a situação dos filhos e relata que o clima no local é tenso.
"Deram para mais de cinco tiros e saímos correndo para cá. Ninguém do presídio dá informação de como está lá dentro e estamos aqui fora esperando por notícias", disse Marcilene.
"Estava visitando meu marido e ao ouvir os tiros disparados saí correndo. A situação lá dentro é muito ruim", contou a mulher de um preso da penitenciária São Luis 1 que não quis se identificar.
"Ouvi muitas bombas e um disparo efetuado por um agente. Durou bem uma hora isso, mas parou faz 20 minutos, umas 15h", contou outra mulher de um preso da São Luís I, que também não quis se identificar.

Violência

Em vistoria no ano passado ao complexo, o CNJ (Conselho Nacional de Justiça) relatou que o domínio de facções criminosas que agem dentro dos presídios maranhenses deixa as unidades prisionais "extremamente violentas".
Ampliar

As condições dos presídios brasileiros175 fotos

1 / 175
15.jan.2014 - O defensor público-geral do Estado do Maranhão, Aldy Mello de Araújo Filho, participa do mutirão carcerário realizado em São Luís. Até o momento, foram confirmados com representatividade o Tribunal de Justiça, Defensoria Pública Estadual e da União e o Ministério Público Beto Macário/UOL
Em relatório após a visita, o CNJ apontou ainda que mulheres de presos que não são líderes de facções são estupradas em dias de visita pelo comando dos grupos criminosos para que os maridos não sejam assassinados. Há relatos de estupros fora dos presídios a mando dos líderes de facções.
O Estado passa por uma crise na área se segurança pública, que tem como foco o complexo de Pedrinhas. Superlotado, com 1.700 vagas e 2.200 presos, o complexo registrou 62 mortes desde o ano passado --60 em 2013 e duas neste ano.

Violência no Maranhão - 12 vídeos

A maior parte das mortes no complexo tem relação com brigas entre as facções criminosas que tomam o complexo -- a Bonde dos 40, nome em alusão à pistola ponto 40, e PCM (Primeiro Comando do Maranhão), facção ligada ao PCC (Primeiro Comando da Capital), de São Paulo.
Fonte:UOL

    Nenhum comentário:

    Postar um comentário

    Gilberto agradece pela sua participação no Blog Voz da Raposa.