sexta-feira, 28 de fevereiro de 2014

Que autoridade têm os militares para propor greve este ano?

É jogo baixo (para não dizer coisa pior) o que fazem os policiais militares e bombeiros do Maranhão ao anunciar a deflagração da “Operação Legal”, espécie de operação tartaruga” que pode anteceder uma greve geral da categoria – uma reunião no dia 13 de março ocorrerá para decidir sobre a possibilidade de paralisação geral.
Com amnésia, os militares criticam o reajuste de 7% concedido pelo Governo do Estado no início da semana (reveja). Segundo eles, a medida não reflete aumento, apenas reposição de perdas salariais coma inflação.
Com o reajuste, um soldado, por exemplo, que recebia R$ 2.396,80 em 2013, a partir de março deste ano terá sua remuneração elevada para R$ 2.564,58.
Ora! Não é preciso ir muito longe para saber que o que a governadora Roseana Sarney (PMDB) faz agora é tão somente cumprir um acordo que fechou com os próprios militares em 2011.
Ao fim de greve realizada no fim daquele ano, a categoria decidiu aceitar a proposta do Governo do Estado. Pelo que ficou acertado entre o Executivo e os militares na ocasião, o salário-base dos soldados do Maranhão seria de R$ 2.240,00 a partir de 2012.
Além disso, os militares conseguiram um reajuste acumulado de mais de 17%, escalonados entre 2013 e 2014. Em valores reais, o salário alcançaria R$ 2.396,80, em 2013, e (vejam só!) 2.564,00 em 2014 (relembre todo o acordo aqui).
Pois bem… Se em 2014 o Governo cumpre a última parcela de um acordo firmado pela categoria em 2011, que autoridade os militares têm para cobrar algo agora?

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Gilberto agradece pela sua participação no Blog Voz da Raposa.