segunda-feira, 10 de fevereiro de 2014

Vídeo mostra agressão de homens da Força Nacional a detentos no Complexo Penitenciário de Pedrinhas

Gravação de 36 minutos revela ação de policiais diante de um grupo de detentos nus e encurralados em uma área do complexo.


Eu vou atirar na sua bunda, nojento’. A ameaça, em meio a risos, é dirigida a um amontoado de homens nus. Com as mãos na cabeça, um usa o corpo do outro como escudo contra um possível ataque. E ele acontece.
Um disparo que parece ser de bala de borracha é feito em direção ao grupo rendido. O barulho faz com que os homens pulem.
O cenário da ação é Pedrinhas, complexo penitenciário do Maranhão onde 63 detentos morreram desde 2013, alguns deles decapitados.
Vídeo obtido pela reportagem da Folha revela a ação de policiais militares diante de um grupo de presos despidos e encurralados. Foto: Reprodução / TV Folha
ENCURRALADOS Vídeo obtido pela reportagem da Folha revela a ação de policiais militares diante de um grupo de presos despidos e encurralados. Foto: Reprodução / TV Folha
O vídeo, de 36 minutos, ao qual a reportagem teve acesso, revela a ação de policiais militares diante de um grupo de presos despidos e encurralados em uma área do complexo penitenciário.
Eles se aglomeram em um dos pavilhões da central de custódia de Pedrinhas, em rebelião de 17 de janeiro.
Exatamente um mês antes, os presos eram os protagonistas de outro vídeo, também revelado pela Folha.
Detentos filmaram três rivais minutos após suas decapitações. Eles se divertiam enquanto exibiam os corpos.
Nas imagens gravadas em janeiro, homens da Força Nacional de Segurança Pública, ligada ao Ministério da Justiça, tentam conter um motim, observados por policiais militares maranhenses.
Gritos e barulho de disparos dominam a maior parte do vídeo. Os integrantes da Força Nacional tentam convencer detentos de duas celas a saírem do local pelados, com as mãos na cabeça.
Uma fumaça, que pode ser do gás lacrimogêneo, toma conta do espaço. O incômodo é grande -o vídeo mostra PMs se afastando, esfregando os olhos com força.

Encurralados

Depois de 30 minutos de negociação, os detentos deixam as celas ainda vestidos, mas com as mãos erguidas. Estão encurralados, de um lado da grade pela Força Nacional e de outro, pela Polícia Militar do Maranhão.
Nos últimos seis minutos da gravação, os presos são obrigados a tirar toda a roupa e a jogá-la no chão, e viram-se contra a parede.
Nesse momento um policial dispara em direção do canto onde estão amontoados os detentos nus.
‘Há uma série de etapas que devem ser cumpridas [pela polícia] até chegar à força letal. Como trabalhar o uso da força é um dos grandes desafios da polícia’, afirma o advogado Theodomiro Dias Neto, professor da FGV (Fundação Getúlio Vargas) e membro do Fórum Brasileiro de Segurança Pública.
‘A questão da bala de borracha, porém, é absolutamente indesculpável, porque já estavam rendidos. Foi sadismo puro’.

Direitos Humanos

Joisiane Gamba, advogada da Sociedade Maranhense de Direitos Humanos, classificou como incorreta a conduta dos policiais militares. A entidade pretende enviar cópia do vídeo denunciando o caso à Comissão Interamericana de Direitos Humanos.
‘O vídeo é uma prova de que os problemas em Pedrinhas não acabaram com a chegada da polícia e da Força Nacional’, disse Gamba.
A PM cuida da segurança do complexo desde dezembro, dois meses após a chegada da Força Nacional de Segurança Pública ao Estado.
O governo do Maranhão e o Ministério da Justiça informaram que só se pronunciarão depois de verem as imagens gravadas.
O ministério afirmou ainda que a Força Nacional atua ‘com foco na preservação da vida’ e conforme os preceitos da Declaração Universal dos Direitos Humanos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Gilberto agradece pela sua participação no Blog Voz da Raposa.