quarta-feira, 5 de março de 2014

O governo e os votos da eleição indireta

O governo Roseana Sarney (PMDB) trabalha com um grupo de 15 deputados para formar a base inicial com a qual pretende eleger o secretário Luis Fernando Silva (PMDB) governador indireto, após renúncia da governadora.
E a partir deste grupo tem um trabalho de articulação que pode garantir até 27 votos para o peemedebista.
Alguns são fechados com o governo em qualquer circunstância – como Max Barros (PMDB), Victor Mendes (PV), Manoel Ribeiro (PTB), Graça Paz (PSL), Ricardo Murad (PMDB) e Carlos Filho (PV).
Outros fecham com o projeto de Luis Fernando por ver nele a única alternativa para vencer as eleições de outubro; ou por não ter simpatia pelo projeto oposicionista de Flávio Dino (PCdoB).
Estão nesta lista Eduardo Braide (PMN), Zé Carlos da Caixa (PT), Neto Evangelista (PSDB), Raimundo Louro (PRP), Antonio Pereira (DEM), Rigo Teles (PV), Edison Araújo (PSL), e os imperatrizenes Léo Cunha (PSC) e Dr. Pádua (PRB), mais ligados ao prefeito Sebastião Madeira (PSDB).
Estes formam a base dos 15 que poderão dar o suporte para a maioria dos votos.
Detalhe: o governo nem inclui nesta conta os líderes do governo, César Pires (DEM), e dos blocos governistas , Roberto Costa (PMDB), Edilázio Júnior (PV), Marcos Caldas (PRB) e Alexandre Almeida (PTN), que ainda não sentaram com a governadora.
Além deles, o governo pretende conversar, já após o Carnaval, com Stênio Rezende (PMDB), André Fufuca (PEN), Francisca Primo (PT) e Vianey Bringel (PMDB).
Com estes votos, o governador indireto já estaria eleito com folga.
Mas o governo ainda vê com bons olhos uma aproximação com pelo menos dois membros da oposição: Carlinhos Amorim (PDT) e Gardênia Castelo (PSDB).
Já seriam 26 votos, suficientes para eleger o governador.
A partir daí, é a conversa com o presidente da Casa, Arnaldo Melo (PMDB), que definirá os demais votos, buscando o apoio dos que se alinham incondicionalmente a ele: Jota Pinto (PEN), Hélio Soares (PMDB), Camilo Figueiredo (PR), Rogério Cafeteira (PSC), Hemetério Weba (PV), Carlinhos Florêncio (PHS) e Afonso Manoel (PMDB).
E assim se fará a eleição indireta na Assembleia…
PS 1.: Ricardo Murad e Victor Mendes são citados por que eles são titulares do mandato, e devem assumir para votar na indireta;

PS 2.: Apenas os nomes grifados dão uma cota de 21 votos ao candidato do governo, sem incluir os líderes dos blocos e o grupo mais ligado a Arnaldo Melo.

Fonte: marcodeca

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Gilberto agradece pela sua participação no Blog Voz da Raposa.