sexta-feira, 9 de fevereiro de 2018

Procuradoria da Mulher da Assembleia lança campanha de combate ao assédio às mulheres neste Carnaval

A campanha publicitária, idealizada pela Procuradoria da Mulher, tem como slogan “Faça bonito na folia. Quando uma não quer, o outro respeita”, é constituída de várias peças e será levada a todo o estado durante o período carnavalesco.
“Em parceria com a secretaria de Estado da Mulher, Tribunal de Justiça, Delegacia da Mulher, movimentos sociais e outras instituições, estamos lançando a campanha de combate ao assédio às mulheres neste Carnaval. O Carnaval é uma festa de todos, mas precisamos trabalhar para coibir o assédio às mulheres. Estamos juntas nessa luta em defesa dos direitos das mulheres”, esclareceu a deputada Valéria Macedo.
Segundo a procuradora da Mulher na Assembleia, o objetivo maior da campanha está dirigido aos homens no sentido de que façam uma reflexão sobre o seu comportamento em relação às mulheres, principalmente nas festividades do Carnaval.
“O assédio não pode ser naturalizado, aceito e tolerado porque a mulher não pode ser vista como um objeto. Sabemos que há um machismo muito grande em nossa sociedade e, durante as festividades carnavalescas, o assédio às mulheres aumenta como aumentam também as doenças sexualmente transmissíveis. Queremos que seja um carnaval alegre, legal e que todos participem, mas principalmente com respeito, respeito às mulheres. Por isso o motim de nossa campanha é: quando uma não quer, o outro respeita”, esclareceu a procuradora da Mulher da Assembleia.
ASSÉDIO é CRIME
“Assédio é crime” é o slogan da campanha publicitária do Governo do Estado que tem como tema “Não tô a fim, sem permissão não toque em mim”. A secretária de Estado da Mulher, Terezinha Fernandes, falou sobre o alcance e a importância de se desenvolver uma campanha integrada contra o assédio às mulheres neste Carnaval. “Estaremos em 83 municípios do Maranhão, nos locais de maior frequência do folião, divulgando o nosso material e com um policiamento treinado para coibir as condutas vedadas e, dentre elas, está o assédio às mulheres. É preciso que se respeite os direitos das mulheres”, assinalou.
“Há quem defenda que no Carnaval pode tudo, mas assédio é crime e tem que ser combatido e punido. Por isso os três Poderes constituídos do Estado, pela primeira vez, de mãos dadas saem em defesa dos direitos das mulheres neste Carnaval. A gente pode brincar na escola de samba, no bloco, botar a fantasia que quiser, mas não podemos esquecer do respeito ao próximo. O assédio acontece diuturnamente, mas nesse período ele se intensifica”, ressaltou a secretária de Estado da Mulher.
A JUSTIÇA CONTRA O ASSÉDIO ÀS MULHERES
“Só tenha motivos para Sorrir – Diga Não à Violência contra a Mulher” é o tema da campanha lançada pelo Tribunal de Justiça do Maranhão (TJ/MA), por intermédio da 2ª Vara de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher de São Luís e coordenada pela juíza Lúcia Helena Barros Heluy. “Neste Carnaval, como uma forma de conscientizar a sociedade, e de fazer a rede de proteção à mulher, estaremos divulgando os instrumentos do Sistema de Justiça que estarão disponíveis e que podem ser acionados para combater o assédio ou qualquer outro crime contra as mulheres, nesta Carnaval”, esclareceu a magistrada.
Diante de uma situação de violência a mulher, podem ser acionados os seguintes canais de atendimento do Sistema de Justiça e Segurança: Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher (98) 3214 – 8649/8651; Ministério Público do Estado do Maranhão (98) 3219 1849/1924; Patrulha Maria da Penha (98) 99219 3671; 2ª Vara Especial de Violência Doméstica e Familiar Contra a Mulher (98) 3194 5400; Defensoria Pública do Estado do Maranhão (98) 32315819/3221 6110 e Casa da Mulher (98) 3198 0100.
A coordenadora estadual das Delegacias de Mulher (CODEVIM), delegada Kazuma Tanaka, ressaltou a importância da campanha contra o assédio às mulheres neste Carnaval. “Este carnaval vai ser diferente. As mulheres estão empoderadas de informação e não vão mais aceitar que práticas que se colocaram como tradicionais no carnaval como, por exemplo, o beijo roubado, a passada de mão, as ofensas verbais praticadas contra a mulher e até mesmo os estupros, continuem a ser aceitos. Nosso policiamento estará atento para agir diante de quaisquer violências praticadas contra as mulheres”, salientou.
A coordenadora da Patrulha Maria da Penha, coronela Maria Augusta de Andrade Ribeiro, da Polícia Militar, afirmou que os policiais militares passaram por um treinamento para atuar, no período de Carnaval, no combate ao assédio às mulheres. “Vamos atuar no sentido preventivo, buscando conscientizar os homens, mas agiremos também no sentido repressivo em se constatando quaisquer que sejam a violência contra a mulher”, esclareceu.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Gilberto agradece pela sua participação no Blog Voz da Raposa.