quinta-feira, 12 de julho de 2012

Vila Luizão ganha primeira Unidade de Segurança Comunitária do MA


Até o final deste ano o bairro Vila Luizão ganhará a primeira Unidade de Segurança Comunitária (USC) do Maranhão.  O anuncio foi feito na manhã de quinta-feira, 12, pelo secretário de Segurança Pública, Aluísio Mendes, durante aula inaugural do curso de capacitação para policiais que atuarão na USC. O evento, que aconteceu no Palácio Henrique de La Roque, contou com a presença de 40 PMs que serão capacitados nesta primeira turma.

O projeto, que custou algo em torno de R$ 30 MI, vai atender não só a comunidade da Vila Luizão, mas também de localidades adjacentes como Divinéia, Sol e Mar e outras. Ao todo, pelo menos 30 mil pessoas serão beneficiadas. Aluísio Mendes falou que pretende com a USC alcançar o mesmo sucesso que foi adquirido pelo Estado do Rio de Janeiro com a implantação das Unidades de Polícia Pacificadoras (UPPs). “Nós aproveitamos aquela idéia que deu muito resultado no Rio e a aprimoramos, criando assim a USC”, disse ele.

Aluisio explicou o motivo que levou a Vila Luizão ser escolhida para receber a primeira Unidade de Segurança Comunitária. De acordo com ele, foi feito pela Secretaria de Segurança Pública do Maranhão um planejamento bastante abrangente e, além disso, um estudo sobre a estatística de violência na grande São Luís foi realizado. “Nesses levantamentos os problemas históricos de segurança pública foram todos identificados e dentre todos estes nós entendemos que a Vila Luizão a localidade apropriada para receber esse projeto”, relatou.

O curso

O diretor de ensino da Polícia Militar, coronel Flávio de Jesus, disse que 40 homens da corporação serão capacitados no curso de 40 horas que será ministrado durante 15 dias a partir de segunda-feira, 16, na Academia de Polícia Militar, localizada no Calhau. Na ocasião, os alunos terão aulas de direito constitucional, direitos humanos, abordagem policial, ética policial e noções de direito. “Essas disciplinas serão ministradas por oficiais capacitados, inclusive eles têm curso de mestrado nessas áreas que citei”, pontuou Flávio. 

Questionado sobre a possibilidade de outros bairros da capital receberem a USC, ele foi direto. “Esse projeto será estendido para bairros como Cidade Olímpica, Vila Embratel, Liberdade e Outros esse é o nosso objetivo”, respondeu.  

A comunidade

O presidente do conselho comunitário da Vila Luizão, José Ribamar Câmara Rodrigues, falou da importância de ter um projeto como este implantado no bairro. Segundo Rodrigues, o principal ponto é a segurança que será reforçada naquela localidade. “Hoje a violência está generalizada, mas com a implantação desta unidade acredito que a nossa comunidade será bastante beneficiada no que diz respeito à segurança pública”, comentou Rodrigues.

O conselheiro ainda disse que outro ponto positivo que virá com a implantação da unidade é a tecnologia. A unidade virá equipada com câmeras de vídeomonitoramento, que dará ao comando de cada unidade um controle, 24 horas por dia, de toda a movimentação da região. As câmeras também serão interligadas ao Centro Integrado de Operações de Segurança (Ciops). “Isso vai facilitar muito a comunicação da própria comunidade e a polícia. Nós estamos (a comunidade) muito felizes com esse investimento, tanto em tecnologia e a própria segurança”, afirmou José Ribamar. 

Uma das conselheiras de segurança comunitária, Maria da Glória Melo, disse que um dos problemas mais comuns daquela comunidade é o tráfico de drogas. Entretanto, nos últimos meses esse cenário tem mudado. “A polícia está mais presente. Hoje sentimos que podemos contar com a polícia. Eles têm trabalhado pra diminuir o problema do tráfico e tem conseguido”, contou a moradora.

8° Batalhão 

Trabalhando de forma direta para inibir o crime naquele bairro, 10 policiais do 8° Batalhão foram escolhidos para atuarem na Unidade de Segurança Comunitária (USC) da Vila Luizão. O comandante do 8° Batalhão, tenente-coronel Raimundo Nonato Santos Sá, disse que com a implantação desta unidade a responsabilidade será maior. Entretanto, ele disse que sob o comando dele existem pessoas capacitadas. “Nosso objetivo é acabar ou pelo menos amenizar a criminalidade, estamos conseguindo e com a implantação deste projeto vamos ter um apoio a mais com certeza”, destacou Sá.

O tenente-coronel concordou com o que foi dito por Maria da Glória em relação ao problema das drogas. Contudo, ele aposta que a relação entre polícia e comunidade, esse problema será menor. “Se a comunidade trabalha em conjunto com a polícia consequentemente o índice de crimes é menor’, finalizou.    

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Gilberto agradece pela sua participação no Blog Voz da Raposa.